Estado do Tocantins

Câmara Municipal de Ananás

Poder Legislativo

portal@ananas.to.leg.br

Tamanho do texto+ -

25/06/2018 - 09:06

1º DE JULHO-DIA DA VACINA BCG

Mamães, hoje é um dia super importante para a saúde dos nossos filhinhos. Hoje, 1º de julho, é comemorado o Dia da Vacina BCG (Bacilo Calmette-Guérin), que é utilizada na prevenção da tuberculose, uma doença transmitida pela saliva e materiais contaminados e causada pelo Mycobacterium tuberculosis, também conhecido como bacilo de Koch.

A BCG é realmente segura, mas o que nos deixa sempre preocupadas é a feridinha característica da vacina. Ela pode durar alguns dias ou até algumas semanas, mas, geralmente, não há dor no local da picada. Se se formou só uma bolinha de pus, com alguns milímetros de diâmetro ou até um centímetro, então provavelmente não causará dor significativa no bebê. Mas, em alguns casos, a reação é bem mais intensa. O local onde foi aplicada fica inchado e a ferida é maior e purulenta. Nesses casos o médico poderá indicar antibióticos contra o bacilo da vacina ou suspeitar de uma infecção secundária.

De qualquer maneira é preciso entender que a ferida é necessária para a certeza de que a vacina conferiu imunidade ao nosso bebê. E ainda que seja um processo doloroso para o nosso filhinho e para a gente, que sempre sofre junto com eles, logo passa. Após o período, a ferida vira uma cicatriz que nossos bebês vão levar para o resto da vida.

A vacina protege contra formas muito graves e até fatais de tuberculose, uma doença ainda muito comum no Brasil, e por isso merece ter um dia específico para ela em nosso calendário.

Curiosidade: a obrigatoriedade da vacina

Desde 1976 o Ministério da Saúde tornou obrigatória a administração da BCG em crianças. Recomenda-se que ela seja aplicada na faixa de 0 e 4 anos, de preferência no bebê recém-nascido. A vacina, no entanto, apresenta algumas contraindicações, tais como para crianças com peso inferior a 2kg, imunodeficientes, desnutridas, com erupções cutâneas generalizadas e que estão realizando tratamento com corticoides.

No caso de imunodeficiência (bebês com deficiência da imunidade), o que acontece é que o paciente pode apresentar uma grave infecção pelo bacilo da vacina – ela é feita de bacilos enfraquecidos, mas vivos -, e então precisaria ser tratado imediatamente. Esta é a única complicação realmente grave.

Atualmente a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda apenas uma dose da vacina, uma vez que a segunda dose não provoca um aumento considerável na proteção, sem evidências científicas de sua necessidade.

Quem deve tomar essa vacina?

Pessoas com qualquer idade podem ser vacinadas. A aplicação dessa vacina é obrigatória para todas as crianças. Indicada acima de 2kg. Sua aplicação é realizada logo após o nascimento, se caso e isso não for possível, deve ser ministrada após no máximo o primeiro mês de vida.

Em locais com alta prevalência da doença será administrada também em crianças de 6 e 7 anos de idade, por ocasião da entrada na escola, caso não tenham registro de esquema vacinal completo contra a tuberculose.

Contraindicações

Recomenda-se adiar a vacinação com BCG em recém-nascidos com peso inferior a 2 kg e em presença de problemas na pele.

Existe apenas uma situação bem mais alarmante (e rara) em relação à BCG, bebês com deficiência da imunidade celular podem apresentar uma grave infecção pelo bacilo da vacina e precisam ser tratados imediatamente.

Como é a reação da BCG?

É causada por uma inflamação no local, não apresentar dor, apenas uma ardência na aplicação. Após algumas semanas da aplicação, podendo aparecer até os 6 meses de vida, uma vermelhidão local e a formação nódulo local, uma “bolinha”, podendo conter secreção ou não.

Em alguns casos a reação fica mais intensa, com uma ferida purulenta bem maior, podendo até apresentar gânglios (“íngua”) na região das axilas. Nesses casos, muito pouco frequentes, é necessário procurar o médico e tomar antibiótico.

Cuidados com a vacina.

Os cuidados são locais, deve-se limpar bem com água e sabão durante o banho. Importante não apertar ou não estourar o nódulo.

Enfermeira Orientadora do Programa Alô Mãe Mariana S. Galhasso



« voltar

Notícias Relacionadas